Yamaha Fazer FZ25

Conheça um pouco sobre a moto Yamaha Fazer FZ25, a Naked do grupo japonês que faz sucesso na venda de motos no Brasil.

História da moto Yamaha Fazer FZ25

Yamaha Fazer FZ25: Lançada pela Yamaha em 2005 como “Fazer YS 250”, a naked street de 250cc foi feita para dar comodidade e um bom custo-benefício, principalmente em relação à economia de combustível. Foi a primeira moto no Brasil a ter baixa capacidade cúbica com a utilização de injeção eletrônica de combustível, além de possuir um tanque com 19,2 litros.

Possui um motor monocilíndrico de 4 tempos, de 250 cc com 21,5cv, duas válvulas, refrigeração de ar e um radiador de óleo, limitada com câmbio de 5 marchas, mas que garante confiança e excelente rendimento, uma moto que faz até 120km/h com facilidade, assim como os possíveis 30km/l alcançáveis, assim, é considerada uma moto um tanto expressiva e caprichada.

Seu comportamento foi feito para os centros urbanos, mas adequa-se bem em vias como estradas, podendo fazer de 0 a 100km/h em menos de 15s e possui uma máxima de 150km/h.

A primeira geração, de 2005 a 2010, tinha um visual de farol arredondado e freio a tambor, com painel analógico que mostrava o velocímetro e conta-giros.

A partir de 2011, o farol passou a ter um conjunto ótico triangular e facetado, com novas aletas para o tanque e na garupa uma alça que foi trocada, assim como a lanterna e a rabeta. O painel passou a ser com velocímetro digital, mas o conta-giros ainda analógico, a Yamaha também aderiu novas rodas e adicionou o freio a disco na traseira da moto.

Versão moto Yamaha BlueFlex

Já no ano de 2021, foi estreado o BlueFlex, motor bicombustível, dando a possibilidade de utilizar tanto gasolina quanto etanol, em qualquer quantidade. A Yamaha também deu à FZ25 um pré-filtro de combustível dentro do tanque, com vários itens para melhorar o desempenho, assim como o mapeamento ECU (Unidade de Controle do Motor), que trabalhava a quantidade necessária de combustível para a moto, deixando-a mais econômica.

Versão 2016 da moto FZ25

Mantendo a versão BlueFlex, no ano de 2016 foram tiradas de linha as motos à gasolina, ocorrendo alterações na face da FZ25, como a digitalização 100% do painel, mudança nas aletas do tanque e a adoção da tampa com padrão aeronáutico, que reduziu a capacidade de combustível para 18,4 litros.

Nova Geração: Yamaha Fazer FZ25 ABS

Atualmente a Fazer 250 é conhecida como “Fazer FZ25 ABS”, mantendo o quadro e motor, mas alternando as versões e mudando o visual.

Visual da moto yamaha

A moto tem um visual robusto, com farol de LED, também nos piscas e na lanterna, uma lateral de carenagens estilo racing (adotado em 2018, passando de YS para FZ) para imitar quadro de alumínio. Os bancos são individuais (a parte mais alta para o piloto), de escape curto, tanque alto e um farol estilo canhão, dando atratividade para a FZ25.

A direção possui um acabamento cromado, e retrovisores ajustáveis, assim como comandos nas partes elétricas.

Consumo de combustível da Fazer FZ25

Na cidade e na estrada, a naked faz 31km/l com gasolina e 21km/l com etanol, podendo percorrer 434km com derivado de petróleo ou até 294km com álcool, é uma excelente média de consumo para a moto, principalmente por conta da injeção eletrônica flex, que melhora o aproveitamento e aumenta o desempenho.

Yamaha Fazer FZ25 ABS

Em 2022, a nova versão aparece de visual novo, com a reestilização realizada no final de 2017, como a remodelação da carenagem na frente, novos grafismos e cores, destacando o seu visual esportivo agressivo, mostrando uma silhueta mais arrojada e futurista. A primeira moto da categoria a apresentar o sistema ABS nas duas rodas, sendo a mais vendida no Brasil. 

Tá pensando em vender sua Fazer 250 para trocar por uma nova? Faça uma pesquisa nas redes que melhor facilitam a venda de motos. A olx é uma boa opção de plataforma para você vender a sua moto usada. Clique aqui e conheça a OLX para vender sua moto usada.

Perguntas frequentes sobre a tabela fipe de moto

A tabela fipe de moto é um meio de consulta que serve como base referencial de preços médios de motos, para a venda de motos novas e usadas a partir do que foi ofertado por vendedores no mercado brasileiro. Além disso, é importante como indicador para, por exemplo, tributos, seguros, financiamentos, contratos, etc.

Tabela fipe de moto não é o preço final de uma moto

É preciso saber que a tabela não é o que determina o preço final da moto (ou que seja regra), mas sim um método de partida para análise de venda e avaliação. Isso é, pesquisadores baseiam-se na coleta de preços das motos novas e usadas, descartando preços muito alto, muito baixo ou com baixas observações estatísticas, gerando índices e indicadores, para os preços médios.

A análise na Tabela fipe pode ser realizada de acordo com a versão, motorização e ano-modelo de uma moto, a sua conservação, algumas diferenças pontuais (exemplo, cor e acessórios), e, em alguns casos, a sua localização (alguns tipos de veículos são melhores para uma região específica), podendo, dessa forma, variar.

Preço da moto

É preciso saber que a tabela fipe não é o que apenas determina o preço da moto, mas sim um método de partida para análise de venda e avaliação.

A análise pode ser realizada de acordo com a versão da moto, motorização e ano-modelo, a sua conservação, algumas diferenças pontuais (exemplo, cor e acessórios), e, em alguns casos, a sua localização (alguns tipos de veículos são melhores para uma região específica), podendo, dessa forma, variar.

Se você já tentou vender a sua moto usada, uma das primeiras perguntas que você faz a si mesmo é: quanto vale o preço da tabela fipe para moto usada como a minha?

E ainda mais: Será que este valor apresentado vai ser o valor final da minha moto usada? Abaixo vamos falar sobre fatores que influenciam no valor final do seu usado e que podem fazê-lo valer mais ou menos que o preço da tabela fipe.

Fatores que influenciam o preço da tabela fipe para moto usada

Alguns aspectos devem ser levados em consideração na hora de vender sua moto usada e que podem impactar no preço de venda e o valor do veículo da tabela fipe. Abaixo listamos alguns pontos que devem ser considerados e impactam no valor final da moto seminova em comparação com o preço da tabela fipe de um veículo:

Motos usadas que sofreram colisão leve ou média (o preço final pode chegar a 80% do valor descrito na tabela fipe); Motos com quilometragem acima da média (o preço final pode chegar a 85% do valor descrito na tabela fipe); Motos que não sofreram nenhum tipo de colisão, que estão dentro da média de km e que possuem um histórico completo de manutenção (o preço final pode chegar a 110% do valor descrito na tabela fipe).

Obs: Estes percentuais são apenas uma referência, visto que além disso existem outros que influenciam no valor de mercado do seu veículo, como modelo, conservação, cor e até região do país. Para ter um valor mais exato é importante buscar uma empresa especializada para realizar esse tipo avaliação, onde será feita vistoria completa para para determinar o seu real estado, além de uma pesquisa de mercado para entender os valores médios para determinado tipo de veículo na região.

tabela fipe, moto usada, moto semi-nova

A tabela fipe de motos: sua importância e onde consultar

A tabela fipe de motos é a principal referência no Brasil para quem deseja comprar ou vender motos usadas ou seminovas. O índice fipe é baseado em uma coleta de dados que considera o preço de carros, motos e caminhões em todo o território nacional. O preço considera motos novas e usadas. Além disso, o preço da fipe é atualizado mensalmente, refinando os detalhes.

Você pode consultar rapidamente e de forma gratuita o preço dela para o seu veículo novo ou usado a partir dos links abaixo:

Abaixo você tem acesso ao preço de motos novas ou usadas:

Abaixo você tem acesso ao preço de carros novos ou usados:

Abaixo você tem acesso ao preço de caminhões novos ou usados:

Observação importante

Uma observação importante e que deve ser levada em consideração: A tabela fipe não é o único fator para definir qual será o preço final de venda de uma moto nova ou usada. Vários outros fatores podem determinar o valor de mercado da sua moto, como: Estado geral da moto, mecânica e conservação da moto, se a moto já foi batido ou não, se a documentação está em dia, entre outros. Ou seja, a tabela fipe não é o principal meio de se precificar um veículo na hora da venda ou compra de uma moto.

O valor apresentando na tabela fipe serve apenas como uma referência para o cálculo dos seus impostos e seguro. A forma mais correta para se obter o preço mais real do valor final de uma moto é consultar o preço de mercado da moto, que é influenciado por diversos fatores, incluindo se ele está sendo procurado pelo mercado.

Ao querer vender sua moto, um dos maiores questionamentos é como valorizar e conseguir um preço acima da tabela fipe. Mas quais itens são avaliados e como cuidar da sua moto usada para fazer com que ele tenha um preço melhor no mercado?

Como definir um valor para vender sua moto usada?

Procure locais ou pessoas que estejam vendendo o mesmo seminovo que o seu, tente se ater ao ano-modelo para ter um referência condizente com sua moto. Nessas buscas, procure fatores que diferenciam sua moto das demais, ou seja, alguns atrativos positivos que vão servir como argumento de venda na hora de negociar.

Existem alguns fatores que influenciam no preço final da sua moto: estado de conservação, quilometragem e histórico do veículo. Esses quatro pontos são os principais e que mais vão influenciar no preço de venda da sua moto.

Como ter mais chance de vender seu veículo acima da tabela fipe?

Agora, se você quer vender seu seminovo um pouco acima da tabela fipe, você deve fazer uma vistoria geral na moto. Conferir toda a parte mecânica do mesmo, como sistema de suspensão, direção, freios, luzes e pneus. Além da parte mecânica da moto, a estética deve estar em dia, como pintura em bom estado de conservação. Além de tudo o que foi dito, não devemos levar em consideração apenas do preço da moto usado pela tabela fipe. O meio correto é consultar o preço de mercado do veículo usado, que é influenciado por diversos fatores acima mencionados e se ele está sendo procurado pelo mercado.